Voltar ao topo.
Consulte seu processo

Sobre o escritório#

foto placa na entrada da stl escritorio de advocaciaVer imagem ampliada
Somos um escritório de advocacia situado em Trindade do Sul - RS preparado para lutar pelos direitos dos nossos clientes.
Nossa atuação é transparente e a nossa busca por soluções justas e efetivas é contínua.
Conheça nossa equipe

Últimas notícias#

Tempo de deslocamento normal até o refeitório integra o intervalo intrajornada, decide TRT406/02-Tempo de deslocamento normal até o refeitório integra o intervalo intrajornada, decide TRT4:O tempo destinado ao intervalo para repouso e alimentação compreende o período normal em que o trabalhador se desloca até o local onde é servida a alimentação, aguarda em fila e efetivamente se alimenta. Esse foi o entendimento da 11ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região ao julgar recurso interposto por um ex-operador de uma empresa sistemista, em Gravataí. Na ação trabalhista, que envolve outros pedidos, o autor alegou que levava 30 minutos para ir e voltar do refeitório, restando apenas 30 minutos para alimentação e descanso, já que o intervalo era de uma hora. Assim, pretendia converter o tempo do percurso até o refeitório em pagamento de horas extras. Na defesa, a empregadora informou que o refeitório ficava em torno de 300 metros de distância do posto de trabalho, não demandando o tempo informado pelo reclamante. "As informações nos autos e a prova oral indicam que havia o intervalo de uma hora e que tal período era suficiente para deslocamento até o refeitório”, observou o relator do acórdão, desembargador Marcos Fagundes Salomão. A decisão confirmou, no aspecto, sentença da juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Gravataí, Cíntia Edler Bitencourt, e não cabem mais recursos. Fonte: TRT4Para STJ, peticionar nos autos não implica ciência inequívoca da sentença nem dispensa intimação formal04/02-Para STJ, peticionar nos autos não implica ciência inequívoca da sentença nem dispensa intimação formal:Para o colegiado, a necessidade de ciência inequívoca da parte é princípio basilar do processo civil que não pode ser mitigado pelo processo eletrônico (Lei 11.419/06), ainda mais quando o sistema utilizado pelo tribunal apresentar caminhos distintos e independentes para o peticionamento e para o acesso aos autos, como acontece no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que a prática espontânea do ato de peticionar nos autos não implica ciência inequívoca da sentença nem dispensa a intimação formal. Para o colegiado, a necessidade de ciência inequívoca da parte é princípio basilar do processo civil que não pode ser mitigado pelo processo eletrônico (Lei 11.419/06), ainda mais quando o sistema utilizado pelo tribunal apresentar caminhos distintos e independentes para o peticionamento e para o acesso aos autos, como acontece no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Com esse entendimento, a turma deu provimento ao recurso especial interposto por uma distribuidora de energia contra decisão do TJAM tomada no curso de execução de título extrajudicial no valor de cerca de 52 milhões de reais. O tribunal estadual considerou que, ao peticionar nos autos do processo eletrônico, a distribuidora de energia teria acessado o teor da sentença ainda não publicada oficialmente, ficando desde logo intimada da decisão. No recurso ao STJ, a empresa pleiteou a restituição do prazo para manifestar-se sobre a sentença, alegando não ter tido ciência de seu conteúdo. Solicitou ainda a adequação do entendimento do TJAM à diretriz jurisprudencial do STJ. Para a relatora, ministra Isabel Gallotti, não prospera a alegação do tribunal local de que a recorrente teve acesso aos autos antes de peticionar e que, por isso, deveria incidir o artigo 9º da Lei 11.419/06. O parágrafo 1º do artigo 9º da Lei do Processo Eletrônico considera como "vista pessoal do interessado para todos os efeitos legais” as "citações, intimações, notificações e remessas que viabilizem o acesso à integra do processo correspondente”, mas, segundo a ministra, isso não se aplica ao caso em julgamento, porque a apresentação de petição não é citação, intimação, notificação ou remessa. No entender da relatora, o conteúdo da petição apresentada espontaneamente pelo recorrente no processo não tinha relação alguma com a sentença não publicada, mas já integrante dos autos na data do peticionamento. "Com efeito, nada do texto da petição indicava conhecimento da sentença; ao contrário, seu conteúdo seria até mesmo incompatível com a existência de decisão de mérito desfavorável à requerente, como, aliás, anotado na decisão que, inicialmente, concedera efeito suspensivo ao agravo na origem”, observou. Segundo Isabel Gallotti, a jurisprudência do STJ considera que a "ciência inequívoca”, capaz de dispensar a publicação do ato processual, exige um elevado grau de certeza quanto à possibilidade de a mensagem ter realmente chegado ao conhecimento do destinatário. Ela ressaltou que, havendo alguma dúvida, "a prudência recomenda a publicação da decisão”. No caso analisado, observou a ministra, não é possível concluir, pela descrição dos fatos, que, a partir do comparecimento espontâneo da parte aos autos para peticionar, tenha havido ciência inequívoca do conteúdo da sentença. "Permaneço na convicção de que os indícios apontados de que teria havido acesso aos autos antes do peticionamento – a indicação na petição apresentada de folhas específicas dos autos (todas anteriores à sentença) e data dessa apresentação (dois dias após a prolação da sentença) – não conferem o grau de certeza (segurança) necessário e suficiente para autorizar o afastamento do procedimento legal e específico de intimação”, disse a relatora. A ministra destacou que a dispensa da intimação traria para a parte "a grave consequência de não poder interpor eventual recurso contra a sentença”, em um caso que envolve "elevadíssimas quantias”. Esta notícia refere-se ao(s) processo(s): REsp 1739201   Fonte: STJ
Ver todas as notícias