Obs.: você está visualizando a versão para impressão desta página.
Voltar ao topoVer em Libras

ECT está desobrigada de recolher ISS ao Distrito Federal

  1. Início
  2. Notícias
  3. Geral
  4. ECT está desobrigada de recolher ISS ao Distrito Federal
« Mais recente🔀🛈Categoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:ministra, serviços, pela, federal, supremo, decisão e lei283 palavras3 min. para ler

Em decisão tomada na Ação Cível Originária (ACO) 811, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber declarou a inexistência do dever jurídico de a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) recolher o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) ao Distrito Federal. A ministra firmou sua decisão em entendimento do STF no sentido da aplicação da imunidade tributária recíproca prevista no artigo 150, inciso VI, alínea "a”, da Constituição Federal. 
Preliminarmente, a ministra conheceu a competência do Supremo para analisar o caso, destacando que o conflito poderia vulnerar a harmonia do pacto federativo (artigo 102, inciso I, alínea "f”, da Constituição). No mérito, a ministra citou diversos precedentes do STF nos quais se reconheceu a aplicação à ECT da imunidade tributária, inclusive superando a discussão se a imunidade atinge os serviços não exclusivos. 

"Ressalta inegável a natureza substancialmente autárquica da ECT, a determinar a incidência do parágrafo 2º do artigo 150 da Constituição, como já minudenciado nos precedentes citados na presente decisão, sendo irrelevante a indagação a respeito da exclusividade ou não de todos os serviços prestados pela empresa”, destacou a relatora. Assim, a ministra declarou inválido o disposto no subitem 26.1 da Lista de Serviços veiculada na Lei Complementar 116/2003 e na Lei Complementar Distrital 687/2003. 

Por outro lado, a ministra Rosa Weber reconheceu a obrigatoriedade de emissão de nota fiscal pela prestação de serviços postais, entendimento também já firmado em decisões do Supremo. "Esta Corte tem decidido reiteradas vezes que mesmo as entidades imunes à incidência tributária devem cumprir obrigações acessórias previstas em lei, não obstante desoneradas do gravame principal”, pontuou.

A decisão de mérito confirma liminar anteriormente deferida pela ministra Ellen Gracie (aposentada), sucedida pela ministra Rosa Weber.


Fonte: Supremo Tribunal Federal
11/12/2015

Este site usa cookies para melhorar a navegação.
Termos legais e privacidade