Obs.: você está visualizando a versão para impressão desta página.
Voltar ao topoVer em Libras

Juiz de paz pode homologar rescisão trabalhista, decide CNJ

  1. Início
  2. Notícias
  3. Geral
  4. Juiz de paz pode homologar rescisão trabalhista, decide CNJ
« Mais recente🔀🛈Categoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:paz, juiz, pública, defensoria, trabalho, pela e função376 palavras3 min. para ler

Na ausência de representantes do sindicato a que o trabalhador está vinculado e de autoridades do Ministério do Trabalho, do Ministério Público e da Defensoria Pública, o juiz de paz pode homologar rescisões de contrato de trabalho. Foi o que decidiu o Conselho Nacional de Justiça ao julgar uma consulta feita pelo Tribunal de Justiça de Tocantins.Segundo o TJ-TO, em 2012, a seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no município de Colinas do Tocantins pediu à direção do Foro da Comarca que designasse o juiz de paz do município para fazer a homologação das rescisões trabalhistas, uma vez que o Ministério Público estadual e a Defensoria Pública do estado se recusavam a exercer a atividade, apesar da determinação expressa no artigo 477 da Consolidação das Leis do Trabalho.
A corte atendeu ao pedido e designou a juíza de paz Marcilene Gomes da Silva para exercer a função. Em junho de 2014, no entanto, ela pediu que fosse destituída da função, pois a comarca tinha representantes da Defensoria Pública. O pedido foi atendido em junho de 2015 pela diretoria do foro. Contudo, a Defensoria Pública do estado alegou que a atribuição seria da Defensoria Pública da União.
Ao julgar a resposta à consulta, o plenário do CNJ acompanhou o voto do conselheiro relator, Gustavo Alkmim, que entendeu ser legítima a atuação do juiz de paz na homologação das rescisões trabalhistas, quando comprovada a ausência das entidades e órgãos elencados no artigo 477 da CLT.
Na avaliação de Alkmin, não há como a atuação do juiz de paz resultar em prejuízo para a atividade correcional da Justiça estadual pela falta de conhecimento técnico, pois a homologação não é atividade jurisdicional. Dessa forma, a pessoa que exerce a função não necessita dos conhecimentos técnicos de um jurista ou juiz do Trabalho, como alegava a juíza de paz designada para atuar no município de Colinas.
"A assistência prestada pela autoridade na forma do artigo 477 da CLT prescinde de profundos conhecimentos técnicos inerentes a um jurista ou juiz trabalhista, pois exige, antes de tudo, atenção aos fatos, prazos e formas expressos na literalidade da lei, garantindo ao empregado que tais condições sejam observadas ou ressalvadas, preservando assim seus direitos e/ou eventual possibilidade de futura reclamação trabalhista judicial”, afirmou.

( 0006218-49.2015.2.00.0000 )
Fonte: Revista Consultor Jurídico, 13.05.2016

Este site usa cookies para melhorar a navegação.
Termos legais e privacidade